22 de maio de 2024

30 de janeiro de 2024

Bolsonaro pede volta às aulas: “nunca deveria ter fechado”

Em live, o presidente criticou a paralisação das escolas e cita baixa transmissibilidade em crianças.

Na live de quinta-feira, 13 de maio, o presidente Jair Bolsonaro criticou a suspensão das aulas presenciais nas escolas do país. Segundo ele, as escolas nunca deveriam ter parado as suas atividades.

“La atrás, em abril de 2020, eu falei que tava  defendendo a volta às aulas por vários motivos, mas a imprensa desceu o cassete em mim”.  Em seguida, o presidente lê uma matéria da época a respeito disso: “Contrariando as recomendações da OMS, Bolsonaro volta a defender volta às aulas”.

Logo depois, ele mostra uma matéria publicada no último dia 10 de maio, no Jornal O Globo, com o título: “Crianças tem baixa taxa de transmissão do vírus. Estudo coordenado pela Fiocruz pode nortear a reabertura das escolas”.

Na matéria citada por Bolsonaro, pesquisadores chegaram a conclusão que as crianças não são os maiores transmissores do vírus da Covid, e que, sem cuidados básicos, a reabertura das escolas aumentará a circulação do coronavírus. Mas, se tomadas as precauções, as escolas podem não ter grande impacto na proliferação.

Clique no link para ler:

https://oglobo.globo.com/sociedade/saude/covid-19-estudo-coordenado-pela-fiocruz-mostra-que-criancas-tem-baixa-taxa-de-transmissao-adultos-2-25009032

“Até quando vão querer fechar a escola? Não podemos ficar pra trás na formação da nossa juventude”, questionou Bolsonaro, dizendo ainda que essa situação já passa de um ano e meio, o que pode comprometer uma geração.

Link da live do Presidente Jair Bolsonaro:

https://fb.watch/5zxM_XOL2h/

(Aos 7:40 de transmissão da live, ele dá a declaração sobre a volta às aulas).

Atualmente, Estados e municípios iniciaram a vacinação dos profissionais da Educação, que ainda está em andamento, mas não contemplou toda a categoria e segue suspensa por falta de doses em algumas capitais e cidades do interior pelo país.

Os sindicatos tem se posicionado contra o retorno das aulas. A APLB da Bahia, por exemplo, tem publicado manifestos em jornais de grande circulação e na imprensa regional sobre o assunto, após decisão da Prefeitura de Salvador que determinou o retorno do ano letivo presencial na Rede Municipal de Ensino na capital baiana.

Veja no link:

https://aplbsindicato.org.br/volta-as-aulas-so-deve-ocorrer-apos-imunizacao-dos-trabalhadores-em-educacao/

Em São Paulo, o governador João Dória também deliberou o retorno do ensino presencial e os pesquisadores do Observatório Covid-19BR, da Rede de Análise Covid-19 e da Campanha Nacional pelo Direito à Educação reagiram.

“Não é hora de retomar as aulas presenciais, sob o risco de transformar as escolas em espaço de disseminação do vírus e de ameaça à vida”, diz trecho da Nota técnica divulgada.

Veja na íntegra clicando no link:

https://campanha.org.br/noticias/2021/04/12/nota-tecnica-brasil-nao-e-hora-de-retomar-aulas-presenciais-nas-escolas-e-e-preciso-garantir-condicoes-adequadas-para-oferta-do-ensino-remoto-emergencial/

A avaliação vai na mesma linha das recomendações da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), que defende que 25% dos leitos de UTI devem estar disponíveis para que a situação seja considerada segura.

A Fiocruz também considera que a taxa de positividade dos testes RT-PCR, que detectam a infecção ativa, precisa estar abaixo de 5% para garantir que a situação está controlada para a retomada das aulas presenciais.

Desde 2020, a fundação tem publicado textos a respeito do planejamento para o retorno seguro das aulas presenciais, em várias versões, apontando orientações para a tomada de decisão com o objetivo de assessorar a comunidade escolar na adoção de medidas para o ensino em sala de aula, dependendo dos indicadores epidemiológicos da pandemia.

https://campusvirtual.fiocruz.br/portal/?q=noticia/60150

Veja o estudo completo com as contribuições da Fiocruz, clicando no link do arquivo abaixo:

contribuicoes_para_o_retorno_escolar_-_08.09_4_1

Em resumo, os pesquisadores defendem que a volta às aulas seja possível após a vacinação dos profissionais de educação, além de adoção dos cuidados de higiene, distanciamento social e uso de máscara. A conclusão é a de que somente com 85% dos brasileiros vacinados, haverá contenção da pandemia.

Os cientistas ressaltam que mesmo não tendo papel importante na transmissão da Covid-19, é preciso incluir as crianças nos ensaios clínicos de imunizantes, mas nenhuma vacina foi aprovada para este público. No entanto, alguns fabricantes já iniciaram testes.

 

 

Deixe uma resposta