18 de abril de 2024

30 de janeiro de 2024

A melhor Lavagem do Amparo de todos os tempos

Valença teve um domingo surpreendente marcado por uma multidão nas ruas e pela organição do Cortejo. Apoiadores comemoraram a quantidade de gente que acompanhou o prefeito. 

 

No último domingo (29), aconteceu a Lavagem do Amparo, sendo a maior já vista na cidade de Valença. O povo testemunhou o sucesso da edição 2023 numa celebração que reforça a rica tradição cultural e religiosa da capital do Baixo Sul. 

O cortejo oficial saiu da Praça Ademar Braga Guimarães com uma multidão vestida de branco e azul. O prefeito Jairo Baptista levou milhares de pessoas e 23 terreiro que abriram a caminhada pelas ruas do Centro até a Igreja de Nossa Senhora do Amparo.

O evento mostrou que o atual gestor do município está vivíssimo na disputa pela reeleição. O contingente de pessoas que ele levou foi um sinal de força política.

A organização também foi um dos destaques: DMTran, Guarda Municipal e Ambulâncias estavam presentes dando suporte ao cortejo.

No Adro do Amparo, tudo estava bem organizado. A Prefeitura realizou serviços de requalificação do local e todo o entorno. Tudo estava pintado, limpo e preparado para as missas do novenário e a procissão, cumprindo assim a programação tradicional dos festejos da padroeira dos operários.

A Lavagem atraiu muitas lideranças políticas e a quantidade de grupos separados em blocos demonstra a divisão da oposição. Os muitos nomes na disputa e a aparente dificuldade de união dessas figuras beneficia o prefeito, e isso pode lhe conferir vantagem numérica.

Jairo convidou o Deputado Estadual Roberto Carlos (PV) que prestigiou a Lavagem e ficou impressionado.

Os comentários por parte de apoiadores de que “a onda azul voltou” foram os mais ouvidos.

Lavagem do Amparo é tradição secular 

A Lavagem do Amparo, que já faz parte do calendário de eventos do município e é agora oficialmente reconhecida como patrimônio imaterial através da lei municipal 2524/2018, reuniu terreiros de Umbanda e Candomblé das nações Jeje, Ketu e Angola na edição deste ano.

A introdução dos terreiros na Lavagem do Amparo remonta ao ano de 1977. Antes desse marco, a tarefa de lavar a igreja era realizada pelas operárias da fábrica de tecidos CVI, uma tradição que ressoa com o fato de Nossa Senhora do Amparo ser a padroeira dos operários.

Entre os terreiros que inauguraram essa nova fase da lavagem em 1977, destacam-se o de Mãe Nazi, Pai João, Mãe Mira, Pai Vadinho, Pai Gerson e Mãe Conceição. Essa inclusão trouxe uma nova dimensão à celebração, inspirada na famosa Lavagem do Bonfim de Salvador.

Este ano, o cortejo contou com a participação de 200 baianas, acrescentando um toque de beleza e tradição à festividade. Além disso, grupos de capoeira liderados por Mestre Pety e Mestre Pozi marcaram presença, com o apoio essencial da prefeitura de Valença, que proporcionou suporte financeiro, café da manhã e almoço para todos os participantes.

O evento deste ano foi o maior cortejo dos últimos anos, com a comunidade unida em celebração a uma tradição que atravessa mais de dois séculos, preservando e honrando a rica herança cultural e religiosa de Valença.

Deixe uma resposta