17 de abril de 2024

30 de janeiro de 2024

Dendê é tema de debate no Espaço Salvaguarda do IPAC, com o professor Alcides Caldas

Professor da Ufba é coordenador do projeto "Indicação Geográfica para o azeite da Costa do Dendê" e ministra palestra em evento que também tem como convidados Márcia Matos, produtora de dendê de Rodão Graciosa; Adeilson Santos, produtor do dendê de Pilão Flor do Nilo; e Adailton Francisco, do Colegiado de Desenvolvimento do Território Baixo Sul (Codeter-Ba).

 

 

O Espaço Salvaguarda do IPAC convida a todos para a palestra com o tema “Dendê: dificuldades, resiliência e perspectiva”, a ser ministrada pelo professor da Ufba, Alcides Caldas, no dia no dia 28 de março, às 14h.

A atividade, que é gratuita e aberta ao público, trará como convidados Márcia Matos, da escola de nutrição da UFBA; Rita Ventura, da ABAM; Maria de Fátima dos Santos, produtora de dendê de Rodão Graciosa; Adeilson Santos, produtor do dendê de Pilão Flor do Nilo; e Adailton Francisco, do Colegiado de Desenvolvimento do Território Baixo Sul (Codeter-Ba).

O fruto do dendê tem um grande valor cultural, histórico e econômico para toda a Bahia e, desde de 2016, ano após ano, a baixa produção vem sendo cada vez mais recorrente, o que tem assustado produtores e consumidores. O objetivo da palestra é discutir sobre a questão e buscar soluções.

“Por conta de ser um produto vinculado com nossas tradições, é importante chamar atenção da sociedade baiana e brasileira sobre as dificuldades desse bem cultural e o que podemos fazer para resolver,” explica o palestrante e professor Alcides Caldas.

Indicação Geográfica para o azeite da Costa do Dendê

Que o azeite de dendê é um dos ingredientes mais famosos da gastronomia baiana, todo mundo sabe. Este produto não é apenas especial na culinária, mas gera emprego e renda, sendo um atrativo comercial, turístico e cultural.

Por conta deste potencial, o projeto de pesquisa e extensão “Indicação Geográfica para o azeite da Costa do Dendê: desenvolvimento territorial e valorização do produto, das produtoras e dos produtores”, do Instituto de Geociências da Universidade Federal da Bahia (IGEO/UFBA), já rendeu bons frutos e tem como coordenador do projeto, o professor Alcides Caldas.

O azeite faz parte das atividades tradicionais da região da Costa do Dendê, e seu reconhecimento proporciona a valorização do produto. Além disso, “o projeto evidencia a aproximação do conhecimento científico com o conhecimento tradicional, permitindo a transferência de tecnologia entre universidade e comunidade”, afirmou o docente.

A Indicação Geográfica é uma estratégia produtiva que garante a reconhecimento do produto e permite vincular sua produção ao seu território de origem, justificadas pelas condições ambientais e pelo saber-fazer humano transmitido de geração a geração. A Bahia possui apenas quatro produtos registrados com IG, são eles: a cachaça de Abaíra, as uvas e mangas do Vale do Submédio do São Francisco, o cacau do Sul da Bahia, e o café do Oeste.

As ações do projeto ocorrem em parceria com o Colegiado de Desenvolvimento Territorial (Codenter) e produtores de dendê, que por meio de seminários, encontros mensais e capacitações, nos municípios de Valença, Nazaré, Taperoá, Cairu e Igrapiúna, falaram acerca da importância do IG no fortalecimento e valorização dos produtos da cadeia produtiva do dendê; IG à luz da legislação do  Instituto Nacional da Propriedade IndustrialI; necessidades para o registro; entidade representativa da IG/Conselho Regulador, entre outros assuntos.

Desde 2019, suas ações, na região do Baixo Sul da Bahia, mais especificamente no território da Costa do Dendê, incentivam a obtenção do registro de Identificação Geográfica (IG) do azeite.

 

Deixe uma resposta